Grupos Sociais – Greenpeace;

Padrão

O tema que aqui será desenvolvido é de total relevância, principalmente hoje em dia, pois através deles podemos tentar ajudar mesmo com pouco a população. Trataremos sobre grupos sociais, mas em particular o Greenpeace.Antes que começarmos a falar sobre as particularidades dele, vamos destrinchar um pouco melhor o que seriam estes.

 “Na Sociologia, considera-se que os grupos sociais existem quando em determinado conjunto de pessoas há relações estáveis, em razão de objetivos e interesses em comum.”

  Uma tendência do ser humano é procurar pessoas com quem nós nos identifiquemos e quando as encontramos estabelecemos um vínculo social com elas. É necessário lembrar que para existir um grupo social é necessária uma interação entre seus integrantes. 

   O Greenpeace teve inicio em quinze de setembro de 1971, no Canadá, com um grupo de 12 pessoas, entre eles ambientalistas e jornalistas. Hoje já conta com mais de três milhões de colaboradores, o Greenpeace não aceita ajuda financeira do governo, empresas e partidos políticos, apenas dos contribuintes. O papel do projeto é tentar mudar para melhor a saúde do planeta e também incentivar pessoas a agirem para que isso aconteça.

    Esta ONG também não usa violência para publicar e divulgar seu lugar na sociedade, ela trabalha usando confrontos não agressivos e criativos para chamar a atenção do público para determinado problema ambiental, mostrando que essa postura é alternativa eficaz de comportamento. Todas as ações que desafiam empresas e governos a mudarem de atitude, pressionando-os a encontrar novas soluções para antigos problemas, são pacíficas. O Greenpeace está trabalhando agora no projeto “Desmatamento Zero” que já está quase se tornando um objetivo político, em declaração ao Greenpeace, Marina Silva, do Partido Verde, diz:

 “O desmatamento zero é uma forma de contribuir com a sustentabilidade econômica, social, ambiental e cultural. Ter um projeto de lei para o desmatamento zero é mais do que um imperativo econômico, social e ambiental. É um imperativo ético. Floresta em pé é uma sinalização de que estamos aprendendo que não dá para separar o homem da natureza. É preciso integrar economia e ecologia.” 

   Além de trabalhar com o projeto do Desmatamento, eles trabalham em projetos abrangendo diversas áreas que precisam de extrema atenção, como por exemplo: Clima, Energia, Problemas Nucleares, Oceânicos e Transgênicos. Como já se pode observar o objetivo dos criadores dessa ONG é expor e confrontar os crimes ambientais, desafiar as pessoas a reverem suas posições e tomar novos conceitos diante dos problemas por eles apontados. Entretanto, eles também visam soluções economicamente viáveis e socialmente justas, pois o que eles realmente almejam é dar novas esperanças as gerações futuras.

    Se observarmos, perceberemos que, atualmente, são poucas as pessoas que se preocupam com o “bem-estar” do meio em que vive, e o que esta ONG busca é que nos preocupemos um pouco mais com o local em que vivemos, não só pensando em como ele está hoje, mas como estará futuramente. É importante ressaltar que eles não querem que mudemos totalmente nossos hábitos, muito menos nossas opiniões, mas que reeduquemos nossas atitudes antiéticas.

    Para que haja uma melhor compreensão do que o Greenpeace trata é de extrema importância que se faça uma retrospectiva de como tudo começou: no começo da década de 90, a organização passou a refletir sobre a necessidade de ampliar a sua atuação em países de maior necessidade e o Brasil estava incluso nesta lista.       Durante o encontro do aniversário da explosão da usina nuclear de Chernobyl, a ONG aproveitou a oportunidade e este evento marcou oficialmente a inauguração dele no Brasil e a partir deste instante eles se comprometeram a levar a realidade, a preocupação política nacional e internacional e os desafios ambientais para sua lista de metas.

    Mas quais são os objetivos dele no Brasil? Todos os projetos acima são elaborados em nosso país sendo hoje o seu maior foco: a Amazônia, com projetos como o Desmatamento Zero, que tem por finalidade convocar os governos e a sociedade a se unirem e tentar impedir que a maior biodiversidade que temos se acabe. As soluções que eles buscam é que até 2015 o desmatamento da Amazônia já esteja “zerado”, assim o Brasil estará contribuindo para a diminuição do aquecimento global, assegurando sua biodiversidade e usando de forma responsável esse patrimônio para o benefício da população. Entretanto, para que estes objetivos possam ser alcançados precisamos que o povo também se comova com a situação da Amazônia e contribua fazendo valer as leis de preservação.

Conclusão:

   O Greenpeace é um grupo social cujos objetivos não são políticos nem tampouco sociais, é um projeto ambientalista, que hoje tem o apoio de milhões de pessoas, e que ainda procura a expansão e a conscientização da população para que cuidem do lugar onde vivem.

    Através dessa ONG, são criados vários projetos para promover esse “cuidado” com a natureza, todos concentrados no mantimento do meio ambiente e na solução contra o desmatamento; Essa ideia investiga e confronta crimes ambientais e tem como luta mudar o pensamento das pessoas, de maneira criativa e pacifica, usando e abusando de posicionamento e expressão, transparência e busca de comprometimento com a sociedade civil.

    Esse programa, apesar de não possuir envolvimento politico, tem atraído cada vez mais governantes que querem preservar as áreas verdes do país, a exemplo do Brasil, com Marina Silva, de acordo com o projeto “Desmatamento Zero”, cujo objetivo, obviamente, é aniquilar toda produção econômica através do desmatamento, e gerar soluções mais viáveis de lucro.

   Atualmente, o planeta pede socorro e se manifesta através dos grandes movimentos dos seus mares e do seu solo, descarregando uma ira ocasionada pela sequência de erros do ser humano, como explosão da sua dor, e o grupo Greenpeace, tendo dado conta disso, apoderou-se do marketing criativo e simplório para passar essa mensagem a todos, esperando que a população realize suas ações simples e praticamente imperceptíveis, mas que elas possam manter um meio ambiente com áreas naturais magnificas, e que as gerações futuras não conheçam só imagens ou somente histórias contadas por livros ou pelos pais.